10 alimentos e objetos capazes de provocar engasgo em crianças pequenas

10 alimentos e objetos capazes de provocar engasgo em crianças pequenas

Neste artigo, falaremos sobre 10 alimentos e objetos capazes de provocar engasgo em crianças pequenas. A partir destas dicas, os pais e responsáveis estarão mais preparados e aptos a prestarem o devido socorro, caso isto aconteça. Continue lendo para saber mais.

Antes de tudo, é importante compreender o que é o engasgo e porque ele ocorre. O engasgo acontece devido ao “corpo estranho”, ou seja, aquilo que o organismo não reconhece. 

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, é considerado um “corpo estranho” qualquer objeto ou substância que penetra indevidamente no corpo ou em suas cavidades.

Estes objetivos ou corpos estranhos, que podem ser ingerido ou colocados pela criança nas narinas e conduto auditivo, e que apresenta um risco maior quando é aspirado para o pulmão, estão bem suceptíveis a causarem acidentes como estes e são bastante comuns para a causa do engasgo em crianças pequenas.

Os últimos dados do DataSUS/Ministério da Saúde são de 2012. Estes dados nos mostram que 70% das mortes em crianças menores de 1 ano foi por sufocação, sendo a maior causa de mortalidade por acidentes.

Devemos então, conhecer cada etapa do desenvolvimento infantil e ficar atento aos perigos em cada faixa etária.

Dicas para prevenir engasgo em crianças pequenas:

Veja abaixo algumas dicas importantes e fundamentais para prevenção do sufocamento causado por engasgo em crianças pequenas:

  • Evite alimentar as crianças enquanto elas correm, brincam ou andam. O mais adequado é alimentá-las sentadas à mesa olhando para o alimento.
  • Ofereça os alimentos cortados em pedaços pequenos e de acordo com a faixa etária.
  • Evite oferecer alimentos arredondados inteiros, como uva e tomate cereja, o ideal é cortá-los em pequenos pedaços.
  • Ensine as crianças a mastigarem bem os alimentos.
  • Supervisione sempre a alimentação das crianças pequenas.
  • Não alimente crianças no bebê-conforto, prefira cadeirinhas próprias para alimentação. A criança precisa estar bem sentada para se alimentar, já que possui as vias aéreas anteriorizadas e pequenas, se forem alimentadas na posição semi-sentada terão mais chances de engasgar.
  • Esteja atento quando crianças mais velhas (como os irmãos, amiguinhos) que podem oferecer objetos ou alimentos perigosos às crianças menores.
  • Atenção ao uso de roupas com botões, pedras, enfeites e pingentes.
  • Evite o uso de acessórios pequenos que possam se soltar, como presilha de cabelo, pulseira e chupetas customizadas com pedras.
  • Mantenha o piso livre de objetos pequenos como botões, colar de contas, bolas de gude, moedas, tachinhas. Tire esses e outros pequenos itens do alcance de crianças.
  • Esteja atento quando crianças mais velhas (como os irmãos, amiguinhos) que podem oferecer objetos ou alimentos perigosos às crianças menores.
  • Atenção ao uso de roupas com botões, pedras, enfeites e pingentes.
  • Evite o uso de acessórios pequenos que possam se soltar, como presilha de cabelo, pulseira e chupetas customizadas com pedras.
  • Mantenha o piso livre de objetos pequenos como botões, colar de contas, bolas de gude, moedas, tachinhas. Tire esses e outros pequenos itens do alcance de crianças.

É importante ressaltar que existem 2 tipos de engasgo/obstrução:

  • Se for uma obstrução leve ou parcial – a criança está consciente e ainda consegue respirar – a criança então deve ser acalmada e incentivada a tossir vigorosamente (se a mesma já for capaz de entender), se a obstrução se mantiver encaminhar ao pronto socorro.
  • Se for uma obstrução grave ou total – quando a criança não consegue respirar – os pais ou cuidadores devem fazer a manobra de desobstrução de vias aéreas.

Uma segunda pessoa pode chamar por ajuda – o que chamamos de socorro especializado, 192/193. Portanto, seguindo estas recomendações, será muito mais fácil prevenir o engasgo em crianças pequenas.

Baixe nossos cartazes de desengasgo

A sufocação representa a 3ª causa de mortalidade dentre as mortes por causas externas na faixa etária de 0 a 14 anos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *